sábado, 20 de novembro de 2010

Um conforto para os vagabundos

"Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca..."





Sinto-me até mais aliviada depois de ler isso...rsrs
ah..só para constar...o título do post não é o título do poema..rs
A vontade que tenho é de publicar cada um dos poemas, das frases e afins que estou lendo, mas como ficaria muita coisa, vou postar apenas aquilo que mais for parecido comigo, e essa frase de Fernando Pessoa é uma das mais perfeitas que li até agora...

"E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.

Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela."

Recomendo

Sábado e todos os meus amigos estão se divertindo no Ribeirão Folia.
Eu? Eu estou em casa, morgando... ¬¬
Que me resta fazer? Ler poemas...
Pois bem, segue aqui um com o qual muito me identifiquei...

"Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só..."
                                          Florbela Espanca 

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

"Gatinho de Cheshire", começou um pouco tímida[...] "Poderia me dizer , por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?"
"Isso depende bastante de onde você quer chegar", disse o Gato.
"O lugar não me importa muito...", disse Alice.
"Então não importa o caminho que você vai tomar", disse o Gato.
"...desde que eu chegue em algum lugar", acrescentou Alice em forma de explicação.
"Oh, você certamente vai chegar em algum lugar", disse o Gato, "se caminhar bastante."
Alice sentiu que não havia como negar essa verdade...